Após reunião, mãe de Thayná ganha promessa de empenho das autoridades

6

Thayná Andressa de Jesus Prado, de 12 anos, está desaparecida há 20 dias. Mãe da menina foi recebida em reunião no Palácio Anchieta.

Clemilda voltou a ouvir das autoridades um pedido por paciência

Após o protesto realizado na manhã desta segunda-feira (06) em frente ao Palácio Anchieta, a vendedora Clemilda de Jesus, mãe da estudante Thayná Andressa de Jesus Prado, de 12 anos, foi recebida pelo governador em exercício, César Colnago. Também participaram da reunião o secretário-chefe da Casa Militar, coronel Ferrari, o secretário estadual de Direitos Humanos Júlio Pompeu e o secretário de segurança André Garcia. Clemilda voltou a ouvir das autoridades um pedido por paciência.

“Me pediram mais um tempo e prometeram se empenhar. Não era essa informação que eu queria. Disseram que o processo de investigação está em sigilo”, contou a mãe.

Após a conversa, Clemilda prometeu esperar por notícias da filha por mais dois dias. Caso o desaparecimento de Thayná siga sem novas informações até esta quarta-feira (08), a família vai organizar novas manifestações.

Tenho que acreditar que eles vão solucionar o caso. Vou esperar dois dias, ou eu vou voltar para rua. Quero respostas. Tem que achar ele, só ele vai poder dizer onde a minha filha está. E quem tem que achar ele é a Justiça, não sou eu. São dois crimes, contra uma criança e contra uma mãe. Enquanto a minha filha estiver sumida eu vou estar aqui, ela precisa de mim

Clemilda Jesus, mãe de Thayná

O secretário estadual de Direitos Humanos, Júlio Pompeu, ofereceu apoio psico-social para a mãe de Thayná e garantiu que a polícia tem se empenhado para resolver o caso.

“As polícias, não só do Espírito Santo, mas de outros estados, estão empenhadas nessa busca, nessa caçada a esse criminoso terrível. Todos nós queremos ele preso para garantir direitos humanos das vítimas. Nós tivemos a pouco tempo, no caso da Milena, muita gente descrente porque tinha um policial civil envolvido, e nós fizemos um belíssimo trabalho. A mesmíssima equipe está trabalhando nesse caso dia e noite, e por isso temos certeza de que vamos trazer respostas para a mãe a para sociedade”, garantiu o secretário.

Com informações de Kaique Dias, da Rádio CBN

O caso

Thayná foi vista entrando em um carro após deixar um supermercado no bairro onde mora. Segundo investigações, o veículo pertence a Ademir Lúcio Ferreira de Araújo, de 52 anos. O homem tem passagens pela polícia e saiu da cadeia em dezembro do ano passado, depois de cumprir pena por homicídio. Ele é acusado de estuprar uma criança de 11 anos três dias antes do sequestro de Thayná.