Produção industrial cresce 1,1% em outubro

15

13:40 h

Bens de consumo mais caros, classificados como duráveis, e itens associados a aumento de investimentos, registraram crescimento na produção

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que a indústria voltou a crescer em outubro. Segundo a instituição, na comparação com setembro, a alta foi de 0,2%; frente a outubro do ano passado, o avanço foi de 1,1%. As informações foram divulgadas nesta terça-feira (4).

Com o resultado do período, a produção industrial acumula alta de 1,8% no ano e de 2,3% em 12 meses. Os números revelam ainda que o desempenho positivo alcançou quase todos os ramos do setor: de quatro grandes categorias, três cresceram; de 26 ramos, 17 apresentaram resultado positivo.

A categoria classificada como bens de capital, que são itens usados para a fabricação de outros, cresceu 10,7% frente a outubro do ano passado. Esse dado é importante porque esses produtos estão associados a investimentos – quanto maior a produção deles, maior é a confiança no futuro, já que eles podem ajudar a aumentar a produtividade e a produção.

O desempenho desse segmento foi influenciado por equipamentos de transporte, que cresceram 15,7% frente a outubro do ano passado. Ainda neste grupo, a maior fabricação de caminhões, reboques e semirreboques e caminhão-trator para reboques e semirreboques ajudaram a puxar o crescimento. Também houve taxa positiva em bens de capital agrícolas (+29,7%), para construção (+17,6%), para energia elétrica (+9,1%) e de uso misto (+0,1%).

Otimismo com os consumidores

A produção de bens de consumo duráveis também aumentou. Esses itens são os fabricados que podem ser usados por mais tempo, como automóveis, máquinas de lavar e geladeiras. Um aumento na produção deles significa que a indústria vê os consumidores começando a desembolsar valores maiores ou a tomar crédito para fazer essas compras.

Frente a outubro do ano passado, a produção de bens duráveis cresceu 6,8%. Os destaques do mês foram automóveis (+10,8%), eletrodomésticos linha branca (+8,8%) e motocicletas (+26,4%). Os itens classificados como linha branca são os eletrodomésticos usados para necessidades básicas de uma casa, como geladeiras e fogões.