Em ato unificado de 1º de maio, CUT e Força Sindical aprovam greve geral

09:02 h

No ato unificado de celebração do Dia do Trabalho, nesta quarta-feira, 1º, as principais centrais sindicais aprovaram uma greve geral, marcada para o dia 14 de junho, às vésperas da data prevista para votação da reforma da Previdência no Congresso Nacional.

Em São Paulo, no Vale do Anhangabaú, participaram do ato a Central Única dos Trabalhadores (CUT), Força Sindical, Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), União Geral de Trabalhadores (UGT), Intersindical, Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), Nova Central, Central Sindical e Popular (CSP-Conlutas), Frente Brasil Popular e Frente Povo sem Medo. Representantes das centrais estimaram em 200.000 o número de pessoas no Anhangabaú.

“Está aprovado. O Brasil irá parar em defesa do direito à aposentadoria dos brasileiros e das brasileiras. A única forma de barrar essa reforma é fazer o enfrentamento nas ruas. É greve geral”, afirmou Vagner Freitas, presidente da CUT.

Segundo Freitas, informou a revista veja, que a proposta de reforma da Previdência do governo Bolsonaro é “cruel com o povo”. “Se [Paulo] Guedes quer arrecadar 1 trilhão de reais, que vá tributar os ricos e milionários que têm jatinho, avião e jet ski. Não venha querer tirar do povo trabalhador”, acrescentou. Para o presidente nacional da CTB, Adilson Araújo, “ou essa reforma para de tramitar ou paramos o Brasil”.

CUT Brasil@CUT_Brasil

Milhares de pessoas saíram às ruas do país no Dia Internacional do Trabalhado para protestar contra a reforma da Previdência. No ato unificado das centrais foi marcado o 14 de junho como Dia da Greve Geral 1https://bit.ly/2GSiuht

30 pessoas estão falando sobre isso
Discurso semelhante adotou o presidente da Força Sindical, Miguel Torres. Ele destacou a “unidade” construída pelas centrais sindicais contra a reforma da Previdência. “A unidade se faz na luta constante e estaremos juntos até o fim para barrar a reforma da Previdência”, disse.

Torres ressaltou, ainda, a inédita união das dez centrais sindicais no ato desta quarta-feira. “Sempre foi um sonho nosso [o ato unificado]. Por mais divergência que a gente possa ter, a conjuntura nacional nos levou a este momento histórico”, explicou o presidente da Força Sindical.

Apesar do discurso de unidade, militantes da CUT vaiaram Paulinho da Força, que afirmou, nesta quarta-feira, que os partidos que se reúnem no chamado Centrão discutem o apoio a uma reforma da Previdência que não “garanta” a reeleição de Bolsonaro em 2022.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *