Goldman Sachs se torna o primeiro grande banco de Wall St a deixar a Rússia

O Goldman Sachs Group Inc (GS.N) disse nesta quinta-feira que está encerrando suas operações na Rússia, tornando-se o primeiro grande banco de Wall Street a sair do país após a invasão da Ucrânia por Moscou.

Operar em Moscou tem sido cada vez mais difícil para as instituições financeiras ocidentais em meio a sanções internacionais contra a Rússia e os bancos estão avaliando se devem permanecer ou sair. Embora os bancos europeus sejam os mais expostos ao país, os bancos americanos ainda têm uma exposição significativa, totalizando US$ 14,7 bilhões, segundo dados do Bank of International Settlements. 

“O Goldman Sachs está encerrando seus negócios na Rússia em conformidade com os requisitos regulatórios e de licenciamento”, disse o banco em comunicado por e-mail.

Uma fonte familiarizada com a situação disse que o Goldman encerraria as operações em vez de abandoná-las imediatamente. A perda devido à saída seria irrelevante, disse a fonte.

Em seu arquivamento anual anterior, o banco havia divulgado uma exposição de crédito à Rússia de US$ 650 milhões.

As ações do Goldman Sachs caíram 1,5%, para US$ 328,58 no início do pregão. Até o fechamento do pregão de quarta-feira, o GS havia caído 12,8% este ano.

O maior banco dos EUA exposto é o Citigroup Inc (CN) , que disse na quarta-feira que estava operando seus negócios de consumo na Rússia de forma mais limitada, mantendo seus planos anteriores de alienar a franquia.

Outros bancos americanos que operam na Rússia incluem o JPMorgan (JPM.N) , que se recusou a comentar quais eram seus planos.

Agência Reuters

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You cannot copy content of this page