Rússia precisa vender petróleo e está ficando sem opções

UE, antes hesitante, agora está tomando medidas para interromper o fluxo de petróleo russo e produtos refinados para a maioria dos Estados membros este ano

A Rússia há muito é alimentada pelo petróleo e pelo vício da Europa nele.

Agora, Moscou enfrenta um desafio sem precedentes: se o continente barrar as importações de milhões de barris de petróleo, poderá encontrar novos clientes?

A União Europeia, antes hesitante, agora está tomando medidas para interromper o fluxo de petróleo russo e produtos refinados para a maioria dos Estados membros este ano, à medida que a guerra na Ucrânia se arrasta.

Se o bloco concordar com um embargo, isso atingirá o coração da economia da Rússia, que continua a lucrar com seu grande setor de energia.

Estados Unidos, Canadá, Reino Unido e Austrália já proibiram as importações, e o Japão disse que seguiria o exemplo “em princípio” após uma reunião do G7 no fim de semana.

Juntamente com um embargo da UE, isso colocaria cerca de metade da economia global fora dos limites do petróleo russo.

Moscou não seria afetada da noite para o dia. Países como a Índia continuam abocando centenas de milhares de barris de petróleo por dia, aproveitando grandes descontos.

E as receitas fiscais do Kremlin aumentaram devido ao aumento geral dos preços de referência globais desencadeados pela invasão da Ucrânia.

Mas com o tempo, perder a Europa — destino de mais da metade das exportações de petróleo da Rússia — seria um golpe para o Kremlin, reduzindo a receita do governo à medida que outras sanções duras cobram um preço cada vez maior.

Ela terá dificuldades para encontrar novos clientes suficientes para preencher a lacuna. A Agência Internacional de Energia e outros analistas prevêem que a produção de petróleo russa cairá drasticamente como resultado.

“Isso prejudica a Rússia, sem dúvida”, disse Henning Gloystein, diretor do programa de energia da consultoria Eurasia Group.

A importância da Europa

Moscou depende muito das receitas de seu poderoso setor de petróleo e gás, que em janeiro representou 45% do orçamento do governo federal.

E a Europa tem sido um dos principais clientes. No ano passado, recebeu cerca de um terço de suas importações de petróleo da Rússia, segundo a AIE. Antes da invasão da Ucrânia, a Europa importava cerca de 3,4 milhões de barris de petróleo por dia da Rússia.

Esse número caiu um pouco. Desde o final de fevereiro, os comerciantes de petróleo na Europa evitam em grande parte o petróleo russo que é enviado por mar, enfrentando os custos de envio disparados e a dificuldade de garantir o financiamento e o seguro necessários.

A Europa importou cerca de 3 milhões de barris de petróleo por dia da Rússia em abril, segundo a Rystad Energy.

Mas depois de mais de dois meses de guerra, a União Europeia quer ir ainda mais longe. Seus líderes propuseram a proibição de todas as importações de petróleo da Rússia dentro de seis meses e o fim das importações de produtos refinados até o final do ano.

As negociações estão em andamento. Enquanto países como a Alemanha estão correndo para reduzir sua dependência da energia russa, outros disseram que não estariam prontos.

O governo da Hungria disse que precisaria de três a cinco anos para se livrar do petróleo russo.

Outros estados sem litoral, como a Eslováquia e a República Tcheca, que dependem fortemente de suprimentos entregues por oleodutos, querem exclusões semelhantes.

Ainda assim, o plano da UE aumentaria a pressão sobre a economia da Rússia, que o Fundo Monetário Internacional já havia previsto que encolheria 8,5% este ano, entrando em uma profunda recessão.

Analistas da Rystad Energy e Kpler, outra empresa de pesquisa, esperam que a Rússia precise reduzir a produção em cerca de 2 milhões de barris por dia – ou cerca de 20% – como resultado do embargo.

“O petróleo é uma importante fonte de moeda forte para a Rússia e, desde a introdução das sanções financeiras, tornou-se uma tábua de salvação vital para a economia russa e uma fonte crucial de financiamento para a guerra”, escreveram especialistas do Bruegel, um think tank com sede em Bruxelas.

Índia intervém, China fica atrás
O embargo de um grande importador como a Europa terá desvantagens. Se os preços do petróleo subirem como resultado, Moscou poderia realmente trazer mais receita do governo com os impostos sobre o petróleo, pelo menos no curto prazo.

Isso depende, no entanto, da capacidade da Rússia de redirecionar o petróleo para outros compradores. Isso não será fácil.

Uma parcela significativa das exportações de petróleo da Rússia para a Europa chega ao bloco por meio de oleodutos.

O redirecionamento desses barris para os mercados da Ásia exigiria uma nova infraestrutura cara que levaria anos para ser construída.

Enquanto isso, o petróleo que viaja por mar pode encontrar compradores alternativos. A Índia – que consome cerca de 5 milhões de barris de petróleo por dia – aumentou drasticamente suas importações da Rússia desde o início da guerra.

O principal petróleo bruto dos Urais da Rússia é precificado em relação ao Brent de referência.

Antes da invasão, era negociado com um desconto de alguns centavos. Agora, o desconto é de US$ 35 o barril, tornando-o muito mais atraente para os compradores que não são restringidos por sanções.

Dados da Rystad Energy mostram que as importações de petróleo da Índia da Rússia saltaram para quase 360.000 barris por dia em abril, um aumento de cinco vezes em relação a janeiro.

“Em um momento em que outros estão dispostos a evitar ou evitar o petróleo russo, eles são aparentemente os maiores beneficiários dos preços mais baixos aqui”, disse Matt Smith, analista de petróleo da Kpler.

A Índia, por sua vez, minimizou o aumento das importações. Em comunicado na semana passada, o Ministério do Petróleo e Gás Natural disse que o país importa petróleo de todo o mundo, incluindo um volume significativo dos Estados Unidos.

“Apesar das tentativas de retratar de outra forma, as compras de energia da Rússia continuam minúsculas em comparação com o consumo total da Índia”, disse o ministério em comunicado.

Esperava-se que a China, historicamente o maior comprador individual de petróleo russo, também fizesse compras.

Dados da Rystad, Kpler e OilX mostram que as importações aumentaram desde a invasão da Ucrânia, mas não de forma tão dramática.

A OilX, que usa dados da indústria e de satélite para rastrear a produção e os fluxos de petróleo, descobriu que as importações da China da Rússia por oleoduto e marítimo aumentaram apenas 175.000 barris por dia em abril — um aumento de cerca de 11% em relação aos volumes médios em 2021. subindo mais acentuadamente em maio, de acordo com dados iniciais.

Ainda assim, a demanda de energia da China caiu à medida que aumenta os esforços para impedir a propagação do coronavírus, impondo duras restrições às principais cidades.

Por enquanto, isso deixa Moscou — um aliado próximo de Pequim — em apuros.

“Os chineses não empilharam e engoliram tudo”, disse Gloystein, do Eurasia Group.

CNN

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You cannot copy content of this page