Irmã de MC Kevin defende MC VK e seguidores notam possível indireta para Deolane Bezerra

Após vários depoimentos de Deolane Bezerra, viúva de MC Kevin, alegando que as outras pessoas envolvidas no dia da morte do funkeiro, que acabou não resistindo depois de cair de um prédio no Rio de Janeiro, também eram responsáveis por sua morte, Evelim Nascimento, irmã de Kevin, escreveu um recado nas redes que foi entendido como uma possível indireta para a advogada criminal.

““Talvez não tivesse passando por isso se os ‘alecrins dourados’ , que não vou citar nomes, parassem de culpar ele como se ele tivesse empurrado o garoto”, escreveu Evelim sobre os ataques que o MC VK vem sofrendo nas redes sociais, nos comentários de uma publicação do próprio VK, que desabafava e pedia para que parassem de o culpar pela morte do amigo. Inclusive, no mesmo post, Deolane fez duras críticas a VK, rebatendo todo o relato do cantor. Para ela, os amigos foram coniventes com a situação que causou a morte do funkeiro.

Deolane, advogada criminal, declara que todos que estavam com Kevin no momento da queda foram responsáveis pelo acidente, já que sabiam que o famoso não estava consciente e bem, e mesmo assim seguiram com brincadeiras que poderiam acabar de forma errada.

Por isso, seguidores encararam o comentário de Evelim no post de VK como um recado para Deolane. Será?

Viúva de MC Kevin declara que morte do funkeiro foi ‘homicídio com dolo eventual’

Nos últimos dias, Deolane Bezerra, viúva de MC Kevin, participou do podcast “Papagaio Falante“, com Sérgio Mallandro. Durante a conversa, a advogada comentou sobre a morte trágica do funkeiro, que morreu em maio ao cair do quinto andar de um prédio na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, após o uso de drogas e álcool com amigos.

“A verdade é que ele foi lá dar uma afogada no ganso. Ele estava bem louco. Bebeu, constou no laudo que ele usou droga sintética. Ele não estava em si. O que aconteceu lá, eu não sei, não tenho noção… Só sei que tem três pessoas mentindo. É tudo contraditório. Até o que falaram nos depoimentos e na mídia. Eles se desmentem! Para ser um acidente, não tem que ter maldade. Prefiro ir na linhagem do crime. Um acidente através de uma brincadeira de mau gosto já é maldade. Uma brincadeira sadia, é diferente. Não é brincadeira você estar em um quarto com uma garota de progama e falar ‘Sua mulher chegou aí’ para alguém que está transtornado. Isso não existe. É uma brincadeira que não se cogita“, começou a desabafar Deolane.

“Eu, como ser humano, acho que foi uma brincadeira de mau gosto. Eu como advogada, acho que foi homicídio com dolo eventual, quando você assume um risco. Quando você pratica algo assumindo o risco. Não sei se era brincadeira, se era para tirar ele do quarto e ficar sozinho com a menina. É um absurdo o menino falar que contou para o Kevin que eu estaria lá e ele não ir embora. Se eu batesse lá, o Kevin ia abrir a porta e falar: ‘Está chapando? Vim só buscar uma seda’. Ele sabia como me manobrar. Uma hora a verdade aparece.“, continuou ela.

O crime citado pela advogada, homicídio com dolo eventual, ocorre quando que alguém tem uma atitude que pode acarretar na morte de alguém, ciente dos riscos, mesmo que sem a intenção de que a morte aconteça.

Deolane também contou que, no momento do acidente, não fazia ideia da gravidade da situação de Kevin.

“Falaram que ele tinha amortecido a queda em uma pessoa. O pessoal da ambulância tinha falado que tinha uma fratura na mandíbula e na clavícula. A minha dor foi a última que pensei. Vejo depoimento até hoje de gente que não acredita. Até hoje eu não tive tempo de sentir essa dor. Não sei se um dia eu desabo completamente. Eu abracei o mundo, a vida de blogueira, meus processos, meus amigos. Talvez para camuflar a minha dor. Ninguém me deixa sozinha.“, completou a advogada criminalista.

Ofuxico.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *