ES é o 2º Estado mais afetado por decisão que beneficiou Flávio Bolsonaro

Levantamento do MPF mostra que das 700 investigações e ações penais paralisadas em todo o país, 95 estão no Espírito Santo. Estudo leva em conta apenas crimes federais.

As investigações de crimes federais no Espírito Santo estão entre as mais afetadas, comparadas com as de todo o Brasil, pela decisão do ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), de barrar apurações baseadas em dados fiscais e bancários compartilhados por órgãos de controle, como a Receita Federal e o antigo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). A determinação aconteceu após requerimento do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL), que queria suspender apurações a seu respeito.

Um levantamento do Ministério Público Federal (MPF) identificou 700 investigações e ações penais paralisadas por consequência da decisão de Toffoli, tomada em julho. No Espírito Santo, 95 foram afetadas. Por Estados, o número só é menor do que de investigações travadas em São Paulo, 178.

Procurada por A Gazeta, a Procuradoria Geral da República explicou que as investigações são sigilosas e não poderia dar detalhes sobre as 95 apuradas bloqueadas no Espírito Santo. Contudo, informou que elas dizem respeito a potenciais crimes contra a ordem tributária, contrabando ou descaminho, contra o patrimônio, sonegação de contribuição previdenciária, falsidade ideológica, uso de documento falso, formação de quadrilha, estelionato e outros.

As apurações nos demais Estados envolvem, também, corrupção ativa e passiva, crimes contra a lei de licitações, tráfico de drogas e outros. A maior fatia, no entanto, diz respeito a crimes contra a ordem tributária. Só deste tipo, como sonegação e lavagem de dinheiro, foram 307. O levantamento é da 2ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF, com dados atualizados até a última quinta-feira (24).

FLÁVIO BOLSONARO

O pedido do senador Flávio Bolsonaro que levou à decisão de Toffoli teve como objetivo suspender investigações do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPE-RJ) às quais estava sendo submetido. O órgão investigava a movimentação considerada atípica de R$ 1,2 milhão nas contas de Fabrício Queiroz, um ex-assessor de Flávio na Assembleia do Rio. A suspensão determinada pelo ministro, em julho, impactou todas as investigações criminais pelo país.

A apuração envolvendo Queiroz e Flávio começou com o compartilhamento de dados do Coaf sobre movimentações bancárias. O argumento da defesa, acolhido por Toffoli, foi o de que esses tipos de dados só podem ser compartilhados por órgãos de controle para órgãos de investigação com autorização judicial.

Com informações Gazeta Online.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *