Vice da Copa ES 22, Rio Branco-ES volta a se destacar e início de nova gestão tem saldo positivo

 A grande final da Copa Espírito Santo 2022 por pouco não antecipou etapas do planejamento do Rio Branco-ES. O vice-campeonato colocou fim ao primeiro ano do time principal no triênio do presidente Paulo Pacheco, que concentra os esforços na reestruturação do clube alvinegro.

Receitas foram prejudicadas nos anos que precederam o mandato de Paulo Pacheco – 2016 a 2021. O discurso se mantém e o Capa-Preta volta a sua atenção para o plano de reequilíbrio das dívidas. Isso porque, combinada às decisões tomadas pela administração do Rio Branco no passado, a oscilação nesse período não fez nada bem às contas.

O Brancão teve problemas financeiros graves e trabalha com uma administração economicamente segura. A salvação do maior campeão do futebol capixaba passa necessariamente pela redução de suas dívidas. Segundo o clube, o Rio Branco vai fechar o ano com superavit. Ao classificar para a final, o Brancão alcançou resultados esportivos planejados para médio e longo prazo.

– É o resultado de uma gestão profissional, transparente, conduzida com responsabilidade institucional, cumprindo o projeto de gestão que culminou no adiantamento de objetivos de médio para curto prazo, equacionamento das dívidas, recuperação da credibilidade da imagem do clube e consequentemente resultado esportivo. Foi fundamental o envolvimento dos atletas, comissão técnica e staff, que apesar de representarem instituição centenária maior vencedora do futebol estadual, estão cientes do momento de reestruturação do clube e tua função individual que reflete nos resultados dentro e fora de campo – declarou ao ge.

Se o olhar estiver voltado para a rotina, para o curtíssimo prazo, o Brancão tem um espaço exclusivo para treinamento. Localizado em Vila Velha, o CT Capa-Preta Ponta da Fruta foi viabilizado pela Volda, patrocinador master do time, que também foi resultado do projeto atual.

Combinada às decisões relacionadas a condições de trabalho, honrar acordos com funcionários e atletas tem sido destaque no Rio Branco. Porém, por enquanto, o que há de concreto é a busca pela recuperação financeira e estabilidade no cenário estadual.

– O atleta profissional necessita de estrutura profissional de trabalho para obter performance esportiva. O clube ofertou centro de treinamento somado a alimentação balanceada, suplementação, fisioterapia, medicina esportiva, moradia, transporte e salário em dia, cuja única preocupação do atleta era treinar e jogar. A estrutura profissional de trabalho somado ao cumprimento do acordado na contratação, adicionado a gestão humanizada, foram fatores predominantes para o desempenho esportivo dos atletas.

Como o título da Copa Espírito Santo não foi concretizado, o planejamento de formação do elenco será mantido. Para 2023, ainda, existe anomalia contábil. O Alvinegro está satisfeito com o desempenho dos atletas e irá manter a base do time vice-campeão.

O presidente Paulo Pacheco elogiou o desempenho esportivo. Agora, sem calendário até o fim do ano, a solução encontrada foi emprestar os jogadores.

– Não haverá alteração no projeto esportivo a curto prazo. Estamos negociando empréstimo de 18 atletas, mantendo a base do time finalista da Copa ES para a temporada 2023, somado a atletas que serão incorporados ao elenco. Se tivéssemos obtido a receita da Copa do Brasil adiantaríamos o projeto esportivo de 2024, não ocorreu e será cumprido o projeto de gestão do clube para 2023 objetivando saneamento financeiro, gestão austera, investimento na base e reestruturação da instituição.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You cannot copy content of this page