Médica é presa suspeita de agredir vizinhos e desacatar policiais em Vila Velha, ES

Briga aconteceu em um condomínio na Praia da Costa. O boletim da Polícia Militar diz que a confusão foi motivada por uma ‘brincadeira de mau gosto’ entre os envolvidos.

(PORTAL G1) – Uma médica de 32 anos foi presa, na noite desta sexta-feira (31), em Vila Velha, no Espírito Santo, suspeita de agredir um casal de vizinhos e desacatar policiais militares que atenderam a ocorrência. Após passar por audiência de custódia, ela teve liberdade provisória concedida, na tarde deste sábado (1º), sem o pagamento de fiança.

A briga aconteceu em um condomínio na Praia da Costa. O boletim da Polícia Militar diz que a confusão foi motivada por uma “brincadeira de mau gosto” envolvendo a médica, identificada como Patrícia Zocolotti Rocha, e a vizinha, de 50 anos. Além da mulher, o marido dela, de 72 anos, também foi agredido por Patrícia.

A ocorrência diz, ainda, que o casal denunciou a vizinha por agressão e a administração do condomínio acionou a polícia. De acordo com os militares, a médica desacatou os policiais ao ser abordada e acabou conduzida para a delegacia.

Segundo a Polícia Civil, Patrícia foi autuada por lesão corporal, desacato à autoridade e desobediência a ato legal e encaminhada a um presídio.

Na audiência de custódia, o juiz Arion Mergár concedeu a liberdade provisória a Patrícia considerando que ela “não oferece risco à ordem econômica, à ordem pública, à instrução criminal ou à aplicação da lei penal, considerando que possui residência fixa e ocupação lícita”.

Médica foi presa suspeita de agredir vizinhos em Vila Velha, ES — Foto: Reprodução/ Facebook

A prisão preventiva foi substituída pelas seguintes medidas cautelares: proibição de sair da Grande Vitória sem prévia autorização do Juiz natural da causa; comparecimento a todos os atos do processo, devendo manter endereço atualizado; proibição de manter qualquer tipo de contato com as vítimas, inclusive por meios eletrônicos ou utilizarem o elevador no mesmo momento.

Caso a médica descumpra qualquer condição imposta na presente decisão poderá ter decretada sua prisão preventiva.

A advogada da médica, Lilian Maciel, disse que assumiu o caso nesta manhã e que ainda não tinha detalhes sobre o que motivou a agressão. Segundo ela, a cliente atua na linha de frente do combate à pandemia do novo coronavírus e, por isso, está sob o efeito de estresse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *