“Diário da gestante”, do programa Criança feliz de São Mateus ES, ganha reconhecimento e projeção nacional

Criado pela visitadora do Programa Criança Feliz, Maria Claudia Duarte dos Santos, da Secretaria de Assistência Social de São Mateus, durante a gravidez de Angelina de Lima (uma das assistidas pelo Programa), o Diário da Gestante foi apresentado ao País em vídeo, durante o 3º Workshop do Programa Estadual da Primeira Infância Capixaba.

Resultado: levou o primeiro lugar do Prêmio de Boas Práticas pela Primeira Infância Capixaba, criado pela Secretaria de Trabalho, Assistência e Desenvolvimento Social do Governo do Estado (SETADES), ganhou reconhecimento e projeção no País, e vai representar o Espírito Santo na etapa nacional, em Brasília.

A ação, que concorreu pelo eixo II do Prêmio Integração entre CRAS e o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV), consiste num diário para a grávida sob acompanhamento e chama a atenção pela simplicidade e eficiência.

Por ser um processo complexo, a gravidez provoca inúmeros efeitos físicos e psicológicos. Maria Cláudia relata que, quando estava grávida, “sofria com a ausência de uma pessoa para conversar, desabafar, e aí resolvi fazer um diário, o que me ajudou no processo. Quando comecei a acompanhar a gravidez da Angelina, durante a visitação percebi nela a mesma dificuldade pela qual passei. Aí fui lá e comprei um caderno, material para encapar e levei a ideia pra ela.”

A secretária de Assistência Social de São Mateus, Marinalva Broedel, explicou que o Programa Criança Feliz atende gestantes, crianças de até 36 meses e suas famílias incluídas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, além de crianças de até 72 meses e suas famílias beneficiárias do Benefício de Prestação Continuada (BPC), e de até seis anos afastadas do convívio familiar em razão da aplicação de medida de proteção.

“Por meio de visitas domiciliares às famílias participantes do Cadastro Único, as equipes do Criança Feliz fazem o acompanhamento e dão orientações importantes para fortalecer os vínculos familiares e comunitários, além de estimular o desenvolvimento infantil” – pontuou.

Os visitadores são capacitados em diversas áreas de conhecimento, como saúde, educação, serviço social, direitos humanos e cultura, para que a troca com as famílias seja rica e constante. Para participar do programa é preciso manter os dados no Cadastro Único atualizados, principalmente quando há grávidas e crianças de até três anos na família.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You cannot copy content of this page